Tecnologia P.U.R.

O que são cicatrizes?

As cicatrizes ocorrem quando a camada exterior da pele, a epiderme, é cortada e a lesão se estende para a derme. Uma vez que nosso corpo é incapaz de substituir o tecido destruído, a ferida é "reparada" com o tecido conjuntivo. Como resultado, a ferida evolui para uma cicatriz, que não tem uma boa circulação de sangue, é frequentemente irregular e menos elástica, variando de cor.

Tipos de cicatrizes

As cicatrizes hipertróficas normalmente são avermelhadas, tecido conjuntivo saliente, acima do nível da pele circundante e limitada à área ferida original.

As quelóides são cicatrizes que surgem depois de alguns de meses e espalham-se para além da área ferida original, como resultado de excesso de produção de fibras do tecido conjuntivo.

As cicatrizes atróficas situam-se abaixo do nível do tecido da pele circundante e resultam principalmente da uma redução do número de fibras colágenas dentro da ferida original.

Para mais informações, clique aqui.

 

O que é?

No tratamento de cicatrizes, demonstrou-se que as compressas feitas de poliuretano compatível com a pele, uma tecnologia médica comprovada n o tratamento de feridas, exerce pressão sobre a cicatriz, bem como aumentar a sua temperatura. Estas duas acções físicas têm um efeito pronunciado sobre a reorganização natural do tecido da cicatriz: a actividade da collagenase (enzima chave para o processo de remodelação) aumenta, a microcirculação na cicatriz é activada e o fluxo de sangue melhorado.

Como funciona?

Hansaplast med REDUTOR DE CICATRIZES é um tratamento eficaz que ajuda a reduzir a visibilidade das cicatrizes hipertróficas e quelóides. Estudos clínicos provam o seu apoio no processo de remodelação do tecido da cicatriz*. O poliuretano aumenta a temperatura e a circulação sanguínea no tecido, activando o metabolismo e apoiando a reestruturação do tecido conjuntivo. Os primeiros resultados são perceptíveis após 3-4 semanas. A utilização dos pensos por mais de 8 semanas pode melhorar ainda mais o aspecto da cicatriz.


* Klopp R et al., Journal of Wound Care 200; 9(7):319-324
Mensing H. et al., Aktuelle Dermatologie 2003; 29:230-235
Schmidt, A. et al., Treating. Journal of Wound Care 2001;10(5):149-153
Wigger-Alberti W et al., Journal of Wound Care 2009; 18(5):208-14